O papel das emoções em tomadas de decisões

Compartilhe este artigo na sua rede

Voiced by Amazon Polly

Photo by Dorota Dylka on Unsplash

Já abordamos antes o papel fundamental das emoções dentro das empresas, principalmente quando estamos lidando com fatores humanos. Hoje, contudo, vamos abordar a emoção através de outro viés: quando precisamos lidar com elas para tomadas de decisões.

Quando nos deparamos com decisões difíceis e complexas, normalmente experimentamos emoções igualmente difíceis e complexas. Normalmente, não queremos ficar sentados com esses sentimentos desconfortáveis, então tentamos acabar com a tomada de decisão. Mas isso geralmente leva a decisões erradas. Podemos não resolver verdadeiramente o problema em questão, e muitas vezes acabamos nos sentindo pior. É um ciclo de feedback improdutivo que encerra nossas decisões com sentimentos negativos.

Esses suportes emocionais, no entanto, podem ser sua arma secreta para tomar melhores decisões. O processo é tão simples quanto dedicar um tempo para identificar 1) as emoções que você sente ao enfrentar sua decisão e 2) as emoções que deseja sentir ao olhar para sua decisão no espelho retrovisor. O que você vê? Como sua vida é melhor para um resultado de decisão satisfatório?

Cheryl Strauss Einhorn ensina um exercício em 4 etapas para treinar o cérebro e canalizar melhor as emoções para fazer escolhas mais assertivas e não reativas.

1. Identifique a decisão que você precisa tomar.

Quando estamos tentando resolver um problema, muitas vezes temos que analisar muitas informações conflitantes – além de nossos sentimentos. Portanto, a primeira coisa a fazer é identificar qual decisão você precisa tomar.

Um exemplo prático. Charlie criou uma tecnologia para melhorar a audição enquanto obtinha seu PhD. Agora CEO de uma startup de neurobiologia, ele é apaixonado e conhecedor de tudo a ver com sua invenção. Mas ele não tem experiência em negócios, e está enfrentando algumas decisões importantes de negócios: Como ele usa melhor o dinheiro que já arrecadou para mover seu produto para o mercado? Quanto é razoável gastar para desenvolver e testar um produto minimamente viável? Como ele pode levantar dinheiro adicional para sua startup incipiente?

Os financiadores de Charlie querem que ele termine seu ensaio clínico e construa um produto para testar em um programa piloto. Ele quer fazer o certo por seus investidores e conhecer o que ele percebe como sua linha do tempo muito curta.

Alguns dos conselheiros e investidores de Charlie têm instado ele a encontrar um parceiro experiente em negócios. A decisão que Charlie precisa tomar é se ele deve contratar um co-fundador com experiência em negócios para ajudá-lo a enfrentar esses problemas.

2. Identifique como você se sente em relação à decisão que precisa tomar.

Considere suas emoções ao pensar em tomar uma grande decisão. Qual é a emoção dominante que você está sentindo? É medo? Ansiedade? Uma sensação de estar sobrecarregado ou talvez entusiasmo com a oportunidade à frente? Seus sentimentos são baseados em experiências anteriores ou em outras fontes de informação?

Nomear nossos sentimentos pode ajudar a criar um pequeno espaço entre nossas emoções e nossas ações. Ganhar essa distância nos permite examinar a emoção e reconhecer senti-la, sem deixar que a emoção conduza a decisão, substituindo nosso pensamento e agência conscientes.

Charlie acredita profundamente em seu produto e quer ver essa tecnologia maravilhosa ajudando as pessoas em todo o mundo. Ele se sente preso e inseguro sobre como resolver a decisão. Ele se sente ansioso e hesitante sobre suas outras partes interessadas. Ele está recebendo conselhos conflitantes de investidores e assessores, com alguns pressionando muito para trazer um parceiro de mentalidade de negócios e outros insistindo que ele pode fazer isso sozinho se ele pode ser mais organizado com seu tempo.

Criar a distância para identificar que ele se sentia “preso” foi uma virada de jogo para Charlie. Isso o ajudou a perceber que, como CEO, ele não estava preso; em vez disso, ele era o único tomador de decisão. Ele também percebeu que “preso” não era a palavra certa. Em vez disso, ele disse que sentia resistência. Quando pressionado, dizendo que a resistência não é uma emoção, mas sim uma reação psicológica, ele foi capaz de analisar mais. O que ele realmente sentiu, ele disse, foi desconforto. O esclarecimento foi revelador. Agora ele podia explorar o que ele se sentia desconfortável.

3. Visualize seu sucesso e como ele se sente.

Imagine que você tomou uma decisão bem-sucedida. Como você se sente agora? Você sente uma sensação de realização ou alívio? Você tem uma direção mais clara para o futuro? Você promoveu sua carreira, ou talvez fortaleceu seus relacionamentos?

Quando Charlie imagina contratar um co-fundador, ele percebe que o sentimento de desconforto vem de preocupações com conflitos decorrentes de ter que compartilhar o poder de decisão com outra pessoa. Ele pensou que sentiria confiança no conhecimento da pessoa que contratou, mas, em última análise, ele não quer compartilhar a propriedade da visão que ele sonhou e trabalhou por tantos anos. Sintonizar seu desconforto foi um grande momento “aha!”, mesmo que estivesse lá o tempo todo.

4. Aplique os suportes de livros emocionais.

Agora que você examinou sua decisão inicial e os suportes emocionais para ela, considere: Você identificou corretamente a decisão que está tomando?

Aplicando o suporte emocional, Charlie percebe que se sente amarrado em nós porque ele confundiu várias decisões. A decisão que ele precisava tomar não era sobre contratar um co-fundador ou não, era sobre se ele queria compartilhar a propriedade de seu negócio. Ele havia assumido que, a fim de obter a perspicácia de negócios que precisava, ele teria que trazer um parceiro, como muitas startups ao seu redor parecem ter feito.

Mas o exercício de leituras sobre emoções o ajudou a perceber que havia outras maneiras de obter a perspicácia de negócios que a empresa precisa. Ele poderia contratar alguém que reportasse a ele ou contratar um consultor. A decisão de negócios é uma decisão de curto prazo; a parceria é uma decisão de longo prazo. Ele não só havia confundido as decisões, como não tinha pensado nas implicações a longo prazo de um parceiro.

Emoções em decisões futuras

Achamos que não temos tempo para investir no processo de tomada de decisão – e definitivamente não queremos nos debruçar sobre o desconforto emocional, como ansiedade e frustração, que as grandes decisões trazem à tona. Pode parecer mais fácil entregar decisões complexas às nossas emoções. Porém, precisamos invocar nosso cérebro: nomear e sentar com nossas emoções. Dessa maneira, nos colocamos em parceria com nossas emoções, em vez de sermos movidos por elas.

Treinamentos sobre emoção e tomadas de decisões podem ser uma ferramenta excelente para aprimorar sua força de trabalho. Ter uma ferramenta para avaliação de skills e desempenho pode auxiliar neste momento. A Appus tem a ferramenta certa para te ajudar. Entre em contato para saber mais.

* Texto produzido por Letícia Dallegrave, mestra em Comunicação Social e Publicitária.

Não deixe de ler também…

O Guia Definitivo de People Analytics
People Analytics

O que é People Analytics?

A presença da análise de dados na área de gestão de pessoas se consolida a cada ano. Grandes corporações passaram a investir em soluções tecnológicas e obter avanços na performance dos colaboradores e nos resultados das empresas, mas muitos ainda desconhecem a definição e o que é possível esperar de People Analytics.  O que é

Leia mais »
Liderando com confiança em tempos de incerteza
Gestão de Pessoas

Liderando com confiança em tempos de incerteza

Desde 2020, o mundo nos ensinou que mudanças podem vir rapidamente e empresas podem ter que se adaptar de uma hora para outra à uma nova realidade. Ainda não é possível prever o futuro, porém é possível mudar a cultura da empresa para considerar o futuro como uma variável e estar pronto para mudanças constantes ou abruptas.

Leia mais »