Guia prático: o que faz o CEO de uma empresa

Quer saber mais sobre as soluções da Appus?

A liderança efetiva de um CEO (Chief executive officer) é um aspecto essencial para o sucesso de uma empresa e sua equipe. Mas o que faz o CEO? 

O trabalho varia de acordo com a missão, o produto, os objetivos da organização e sua necessidade de operar de forma rentável. Também depende do tamanho da empresa e do número de funcionários entre outros fatores.

O CEO é responsável pelo sucesso geral de uma organização e possui a autoridade máxima para tomar as decisões finais. Ele pode pedir qualquer contribuição necessária, mas a deliberação final recai sobre o CEO.

Esse executivo tem responsabilidades específicas, dependendo das necessidades da organização, e suas tarefas diárias podem variar. 

Assim, neste post, nós vamos explicar quem é o CEO de uma empresa, suas funções e também quais práticas podem ser tomadas para o sucesso da equipe e da organização. Confira!

Quem é o CEO de uma empresa?

Um diretor executivo (CEO) é o principal cargo de uma empresa e suas responsabilidades incluem resolver e tomar decisões importantes, gerenciar os recursos e operações gerais de uma organização e atuar como o ponto central de comunicação entre o operacional e o conselho de administração.

Os CEOs geralmente são responsáveis por determinar a direção estratégica da empresa e garantir que os objetivos sejam implementados por meio de etapas funcionais. Além disso, eles assumem o comando na criação da cultura organizacional.

Por exemplo, uma empresa de tecnologia que possui como seu maior ponto forte o pessoal que presta suporte de alta qualidade. Nesse caso, a principal preocupação do CEO deve ser a participação ativa do processo de gestão de pessoas da empresa, inclusive na seleção de novos funcionários.

Características de um CEO

Todos sabemos o perfil de um CEO: eles são extrovertidos, auto-promocionais e tomadores de risco. Mas esses estereótipos são verdadeiros? Quais características realmente diferenciam CEOs de outros executivos? E, o mais importante, o que difere CEOs bem-sucedidos de outros CEOs?

Nos mercados de mudanças rápidas de hoje, com a interrupção digital ocorrendo em todos os negócios, essa questão nunca foi tão importante.

Um diretor executivo deve ter traços certos para ser um grande líder. Para começar, os cargos executivos devem dispor de um portfólio que combine as habilidades técnicas, financeiras e operacionais. Além de competência intelectual e prática, normalmente, os CEOs possuem:

Coragem, paixão e intensidade

Os grandes CEOs estão sempre dispostos a mudar. Os líderes estão sempre voltados para o futuro, estabelecendo metas ambiciosas e muitas vezes dependem de sua intuição. 

Eles têm iniciativa, são mais rápidos para capitalizar as oportunidades e mais propensos a assumir riscos de alto nível. Sua intensidade e paixão por crescimento e desenvolvimento os tornam pessoas carismáticas e persuasivas.

Resiliência

Os líderes sabem que correr riscos e fazer mudanças em grande escala podem levar a um crescimento exponencial ou falhar drasticamente. 

Uma diferença fundamental entre um bom e um excelente CEO é a capacidade de rápida recuperação e avanço. 

O profissional de excelência está aberto a aprender com seus erros e trabalhará para transformar as situações imprevistas em resultados positivos.

Curiosidade

Os CEOs que permanecem abertos ao aprendizado são aqueles que continuam a viabilizar oportunidades de crescimento. Na verdade, uma de suas maiores habilidades é mostrar curiosidade sobre aquilo que não sabem — e, depois, utilizar o tempo e a energia para preencher essa lacuna.

Organização

Alguns diretores executivos podem não ser organizados no sentido convencional, como na manutenção de uma mesa limpa e arrumada, mas todos os CEOs bem-sucedidos permanecem organizados e focados em sua abordagem estratégica para resolver problemas no negócio.

Ter um pensamento organizado é saber quais questões são tangenciais e quais das prioridades são cruciais para uma liderança efetiva. Sem o pensamento organizado, as dificuldades começam a aparecer e podem ocultar os principais problemas.

Comunicação

Os altos executivos compartilham a excelente capacidade de comunicação. Eles são capazes de transmitir informações em uma linguagem que mantém as partes neutras — não causa ou instiga conflitos desnecessários — e é facilmente compreensível para que ações efetivas possam ser tomadas.

A maioria dos CEOs conhece o valor das competências e muitos dedicam tempo e esforço refinando suas habilidades de comunicação para o melhoramento da equipe e da empresa como um todo.

Otimismo realista

Há uma diferença entre ter muitas ideias ótimas em teoria, mas que não possuem aplicação do mundo real, e saber o que pode ser feito ou não dentro de uma empresa. Os candidatos ideais à vaga de CEO são capazes de permanecer curiosos e realistas simultaneamente.

Eles são extremamente conscientes, como peças no tabuleiro de xadrez, e percebem, antes de todos, como certos movimentos afetarão a posição da empresa, mas também estão dispostos a considerar soluções que outros possam ver como pouco convencionais.

Construção de relacionamentos

O candidato a diretor executivo deve mostrar que tem a capacidade de construir relacionamentos com clientes e colegas de trabalho para alcançar excelência na gestão. 

Os bons relacionamentos auxiliam a desenvolver melhores oportunidades de trabalho, além de fidelidade e uma boa imagem para o CEO e a empresa.

Adaptação

Uma das maiores características que um CEO pode ter é a capacidade de “ler as pessoas” e adaptar o estilo de gerenciamento. 

Nem todos têm o mesmo estilo de aprendizagem e se o Executivo quer que sua empresa e seus funcionários tenham sucesso, é importante poder se adaptar às necessidades de seus colaboradores.

Coaching dos funcionários

Como grande líder de uma empresa, é fundamental que o CEO ideal tenha capacidade de criar um ambiente de trabalho saudável e colaborativo. 

É seu trabalho dar aos funcionários as ferramentas de que precisam para terem sucesso e ele deve ser capaz de ensinar e treinar de forma que inspire sua equipe a ter êxito e mantenha os liderados alinhados à estratégia e cultura organizacionais.

O que faz o CEO?

Uma vez que os CEOs definem um curso claro para o negócio, eles devem participar dos assuntos que estejam relacionados à gestão de pessoas.

Desenvolver uma compreensão astuta das necessidades e motivações de sua equipe e, em seguida, levar as pessoas a bordo — dirigindo para o desempenho e alinhando-as em torno do objetivo da criação de valor — possibilita resultados mais bem-sucedidos.

Os deveres do CEO são o que ele realmente faz, as responsabilidades que ele não transfere, afinal, alguns processos não devem ser delegados.

Criar cultura, modelar valores, construir a equipe de gerenciamento, dar a aprovação final de como o dinheiro é gasto são, de fato, atividades a serem realizadas pelo CEO.

Muitos CEOs iniciantes pensam que a angariação de fundos é seu dever mais importante. No entanto, mesmo com a criação de fundos sendo necessária, a contribuição está na construção de um negócio viável com o dinheiro arrecadado.

As responsabilidades de um CEO incluem:

  • criar, comunicar e implementar a visão, a missão e a direção-geral da organização, gerenciando o desenvolvimento e implementação da estratégia global da empresa;
  • dirigir, orientar e avaliar o trabalho de outros líderes executivos, incluindo presidentes, vice-presidentes e diretores, dependendo da estrutura de relatórios da organização — nesse processo, o CEO certifica-se de que a direção estratégica definida está em andamento na empresa;
  • solicitar conselhos e orientações, quando apropriado, de um Conselho de Administração;
  • formular e implementar o plano estratégico que orienta a direção da empresa ou organização, assegurando que a sua criação envolva contribuições significativas da companhia;
  • supervisionar a operação completa de uma empresa de acordo com a direção estabelecida nos planos estratégicos — isso inclui o design da organização de forma que facilite e suporte as operações;
  • avaliar o sucesso da organização no alcance de seus objetivos — é importante que cada objetivo estratégico seja mensurável ou que os resultados possam ser descritos em uma imagem acordada e compartilhada pela equipe;
  • manter a conscientização do cenário externo e interno competitivo, oportunidades de expansão, clientes, mercados, novos desenvolvimentos e padrões da indústria;
  • olhar para possíveis aquisições ou a venda da empresa em circunstâncias que vão aumentar o valor para o acionista;
  • representar a organização para responsabilidades e atividades de associação cívica e profissional na comunidade local, no estado e no país;
  • participar de eventos ou associações relacionadas à indústria que vão aprimorar as habilidades de liderança do CEO ou a reputação e o potencial de sucesso da organização, além de certificar-se de que os membros da equipe compreendam que cada funcionário é responsável por ajudar a empresa a manter os laços da indústria;
  • demonstrar a liderança necessária para tornar a missão da organização um sucesso — esta liderança inclui proporcionar uma visão que atraia seguidores e todos os outros aspectos;
  • criar uma organização de aprendizagem que continuará a crescer e melhorar as habilidades dos funcionários (somente se esses jogadores importantes continuarem a aprender e a se desenvolver a empresa terá sucesso no nível desejado);
  • garantir que os líderes da organização experimentem as consequências de seus atos, seja por recompensa e reconhecimento ou treinamento de desempenho e ações disciplinares.

Quais as melhores práticas para ser um bom CEO?

Buscam por novidades

Enquanto os líderes do passado eram muitas vezes encarregados de executar estratégias predeterminadas e aumentar a eficiência, melhorando os processos preexistentes; um dos ativos mais valiosos dos futuros líderes é a sua vontade e capacidade de criar algo totalmente novo.

À medida que as indústrias, os processos e os modelos de negócios são reinventados por tecnologias disruptivas, os líderes mais valiosos do amanhã são aqueles que podem moldar o impacto dessas mudanças, em vez de reagir a elas. 

Os CEOs são líderes que podem procurar e oferecer novas oportunidades, mas, também, ajudar a redefinir seus próprios negócios para o futuro.

Ficam confortáveis com o caos

Em um cenário de negócios cada vez mais caótico, os líderes que prosperam são aqueles que trabalham bem em condições desconhecidas.

Existem sistemas e processos que foram construídos no passado que eram fantásticos para sua época, mas eles não são rápidos e ágeis o suficiente para combinar esse ritmo de mudança. 

Os CEOs que podem demonstrar um nível de conforto com o caos que resulta da reinvenção de processos de longa data estão mais bem-preparados para os desafios que os esperam.

Procuram entender de tecnologia e futuro

Enquanto os líderes do futuro não necessariamente precisam ser os que escrevem códigos, os especialistas sugerem que, pelo menos, é necessário demonstrar uma sólida compreensão das capacidades, aplicações e evoluções das tecnologias emergentes.

A tecnologia da informação está passando de mais um papel de apoio, que cria eficiência, para um papel diferenciador, que aumenta a eficácia. As corporações estão levando a tecnologia mais e mais a sério, independentemente da indústria em que estão trabalhando.

As indústrias tão diversas como varejo, agricultura e fabricação estão cada vez mais nomeando especialistas em tecnologia em seus conselhos, ao mesmo tempo em que adicionam mais posições de direção no espaço de informação e tecnologia. 

Esses esforços são reconhecidos pelo fato de que a tecnologia precisa gerar as principais funções de negócios para que as empresas permaneçam competitivas.

A equipe de TI agora está no centro das equipes de inovação, porque a empresa entende que, com as tecnologias sempre em mudança, seus modelos de negócios estão enfrentando oportunidades para serem interrompidos ou evoluídos.

Possuem alta inteligência emocional

Num futuro que incorpora mais inteligência artificial no local de trabalho, os líderes que são emocionalmente inteligentes vão prosperar. 

Como parte da evolução contínua da administração, o controle militar como forma de lidar com os subordinados passou de um valor de liderança-chave para uma desvantagem competitiva.

À medida que a tecnologia se torna mais onipresente nos processos de negócios, as organizações tornaram-se mais lisas e menos hierárquicas. 

Como existem processos de trabalho que evoluem de um jeito mais orgânico, eles serão conduzidos por líderes que entendem, investem nas pessoas e são capazes de estabelecer relacionamentos amistosos.

Têm bom relacionamento com pessoas e tecnologias

Como falamos, com a crescente influência da tecnologia nas empresas, dentro e além de sua indústria, os líderes mais eficazes devem compreender como delegar entre humanos e máquinas de forma a maximizar as capacidades de ambos.

A obrigação dos líderes é retroceder e olhar não apenas como você aplica inteligência artificial ao negócio, mas como você pode melhorar um determinado processo. 

É preciso ser alguém que olhe para os papéis que as pessoas desempenham em tais processos e saiba aplicar tecnologia de forma a otimizar os valores nessas funções.

Enquanto alguns olham as tecnologias emergentes com medo e ansiedade, o CEO ideal está planejando a melhor forma para integrá-las em sua força de trabalho.

Entendem que tempo é dinheiro

Outra característica essencial desse profissional é saber administrar o tempo. Como CEO, as áreas de foco devem ser primariamente limitadas a administrar a missão, a visão e os valores da empresa.

Além disso, a principal preocupação do executivo deve ser o ato de olhar para o horizonte — tanto nos cenários internos quanto externos —, oportunidades de crescimento, clientes, mercados, novos desenvolvimentos da indústria, tendências, padrões e assim por diante.

Além, é claro, de definir e implementar metas e iniciativas estratégicas para expansão do negócio frente ao mercado.

E quais são as boas práticas de relacionamento entre CEO e funcionários?

Esse profissional precisa inspirar confiança. A confiança é essencial no relacionamento com os funcionários. Se o CEO é um verdadeiro líder ele possui integridade para gerar credibilidade. Uma relação próxima de confiança é o quanto o executivo respeita as pessoas que trabalham com ele.

Por definição, se houver liderança, significa que há seguidores, e os seguidores são tão bons quanto o líder, não é mesmo? 

A qualidade dos seguidores está em relação direta com o respeito que o líder mantém. Não é o quanto eles o respeitam que é mais importante, mas o quanto o CEO respeita os colaboradores.

A cooperação é fundamental

Todos os funcionários devem entender que o desempenho do trabalho não é sobre a concorrência. Trata-se de se juntar para servir a um propósito comum — sucesso dos clientes. Não é uma corrida.

Os CEOs podem delegar responsabilidades específicas para certos funcionários, mas cada responsabilidade está vinculada ao próximo em um esforço incessante para fornecer produtos e serviços de alta qualidade.

Uma boa comunicação é uma obrigação na força de trabalho. Fornecer oportunidades para que o CEO interaja mais com outros funcionários ajudará a fortalecer a cooperação e a compreensão entre eles, enquanto permitem que o Executivo ajude os colaboradores a melhorar suas habilidades individuais.

Construir boas habilidades de comunicação entre os trabalhadores pode ser feito através de muitas atividades, como workshops, seminários, programas de treinamento, almoços de escritório e outras ações promovidas pelo departamento de Recursos Humanos.

Os funcionários verão essas oportunidades como um ponto positivo na rotina diária e ainda ajudar uns aos outros a converter suas fraquezas e inseguranças em pontos fortes para o sucesso.

Inspirar os funcionários

Encontrar maneiras de juntar e motivar os funcionários é essencial para que se sintam respeitados e reconhecidos, tornando-se parceiros de negócio e fazendo muito além do que suas obrigações.

Não há nada mais eficaz para o envolvimento dos funcionários que garantir que as pessoas trabalhem todos os dias porque acreditam que estão cumprindo um propósito na organização. 

Alinhar os funcionários com finalidade e cultura do negócio reduz o volume de pendências e os custos, aumentando a produtividade e os lucros.

Os empregados são suscetíveis a obter muito mais e fazer o melhor pelo trabalho quando eles são reconhecidos, respeitados e se sentem parte importante da empresa. 

Os funcionários que confiam no conselho e no CEO têm um enorme impacto no envolvimento do negócio. Os CEOs de destaque fazem uma grande diferença para os funcionários e seu desempenho.

A chave para os CEO está em inspirar confiança nos funcionários dentro destas três características:

  • ouvir;
  • comunicar claramente a visão e os objetivos organizacionais;
  • conectar-se com as pessoas.

O benefício adicional de inspirar confiança nos funcionários não é apenas o nível mais elevados de engajamento, mas os colaboradores também confiarão que serão tratados de forma justa. 

Como tal, a energia dos colaboradores entra no trabalho em vez de focar em duvidar de seu relacionamento com a empresa.

Política de feedback

O feedback é altamente benéfico para o andamento interno de uma empresa. A falta de reconhecimento aumenta a probabilidade de um funcionário se sentir como um ativo menos importante para a organização, podendo levar a uma diminuição no desempenho do trabalho e até mesmo à alta rotatividade.

Os funcionários precisam saber sobre pontos fortes e fracos para avaliar como estão executando suas próprias responsabilidades. Outra vantagem de falar com os liderados é a capacidade de obter uma nova probabilidade em um tópico específico. 

A opinião de um empregado sobre um processo operacional não só ajuda a visualizar suas situações de forma racional, a partir de perspectivas alternativas, como oferece opções mais viáveis para otimizar o trabalho.

Como resultado de sua consideração e ações, eles também se sentirão mais importantes e realmente parte da empresa.

Resolução de Conflitos Racionalmente

O conflito no local de trabalho é inevitável, mas isso não significa que não deve ser uma prioridade. As questões entre os funcionários podem facilmente perturbar o funcionamento da empresa, por isso é crucial abordá-los racionalmente e em tempo hábil.

Ao resolver o conflito, o CEO não deve ser rápido para julgar. Ter conclusões antes de ouvir vários lados da história pode prejudicar a saúde do negócio, caso a pessoa errada seja repreendida. 

É crucial abordar cada situação com uma mente aberta. A falta de comunicação muitas vezes é um dos fatores que desencadeia os problemas que surgem no local de trabalho.

É importante que os gestores certifiquem-se de perguntar o que foi dito por cada parte e se algum esforço foi feito para esclarecer possíveis mal-entendidos antes de ter sido informado sobre a situação em questão. 

As empresas perdem empregados muitas vezes devido à questões simples de falta de comunicação.

O bom CEO consegue fazer com que o conflito negativo se torne, muitas vezes, uma discussão construtiva, levantando pontos de melhoria.

Novamente, as atividades de construção de equipes provam grandes oportunidades para os gerentes e outros funcionários fortalecerem seus vínculos uns com os outros ao nível de negócios, reduzindo o risco de conflito por um mal-entendido.

Como você pôde perceber, o CEO pode ser decisivo no sucesso de uma organização. Muito além de administrar processos, operações, números e fluxo de caixa, esse profissional deve ser alguém com habilidade em envolver pessoas.

Quer saber mais sobre o que faz o CEO? Então, siga-nos no Facebook e no LinkedIn agora mesmo para mais conteúdos como este!

Meme Appus News

QUE TAL ASSINAR a nossa newsletter?

Não deixe de ler também…

© 2014 – 2018 | Appus HR Analytics – www.appus.com – Todos os direitos reservados.