Você sabe como é trabalhar no mercado freelancer?

Compartilhe este artigo na sua rede

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pocket
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook

Se você chegou a este post, é bem provável que conheça alguém que atue no mercado freelancer. Essa modalidade está em ascensão e se tornou uma boa oportunidade para empresas e profissionais.

Porém, essa relação precisa ser bem estruturada para garantir benefícios a todas as partes.

Afinal, de um lado estão os trabalhadores sem vínculo empregatício. De outro, as empresas que os contratam. Esse ambiente é chamado de gig-economy e conta com algumas particularidades.

Então, como garantir o equilíbrio? Como é a experiência freelancer pelo ponto de vista de um profissional? E qual será o futuro dessa profissão? Todas essas perguntas serão respondidas neste post. Acompanhe!

A gig-economy e o mercado freelancer

O cenário de contratação de profissionais freelancers e autônomos é antigo, mas ganhou destaque nos últimos anos pelas modificações sofridas nas relações trabalhistas. Essa afirmação é confirmada por dados divulgados no site Profissas.

De acordo com as informações, 35% do mercado de trabalho nos Estados Unidos é composto por freelancers. Na União Europeia, a porcentagem é de 16,1%. O mesmo site ainda aponta que estudos da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) indicam que a maior parte desses profissionais atua no segmento de serviços, sendo 50% dos homens e 70% das mulheres.

O restante é composto por arquitetos, assistentes online, fotógrafos, designers e especialistas de outras áreas. Por todos esses motivos, fica claro que a gig-economy é mais que uma tendência. Primeiramente impulsionado por grandes empresas da era digital, como Amazon e Uber, esse termo hoje é compreendido a partir de seus fatores políticos, econômicos e sociais.

O funcionamento do mercado freelancer

A falta de implicações trabalhistas e de benefícios faz do freelancer um profissional que encara um mercado bem diferente daquele enfrentado por seus pais e avós. Com a possibilidade de prestar serviços de qualquer lugar e atender a diferentes clientes, ele utiliza a internet a seu favor e passa a construir suas próprias oportunidades.

Por isso, a maior parte dos freelas integram a geração Y, dos Millenials — ou seja, os nascidos entre 1981 e 1996. Esse também é o perfil da redatora freelancer Fabíola Thibes, que trabalha na área de marketing digital há nove anos e dedica seu tempo integral à atividade há quase dois anos.

Segundo ela, o trabalho freelancer surgiu como uma complementação do salário, mas com a profissionalização e o aumento da renda extra, foi possível pensar em uma carreira sólida. Além disso, um fator que pesou bastante foi a realidade encontrada em sua profissão.

Graduada em Comunicação Social — Jornalismo, ela já tinha deixado de atuar na área de formação porque havia encontrado oportunidades melhores em outros setores. Essa situação é enfrentada por 22,98% dos respondentes da pesquisa Mercado Freelancer 2017 — realizada pela Rock Content, 99jobs e We Do Logos.

Além disso, percebeu que já conseguia ganhar como freela o equivalente ao salário como CLT — e tinha a oportunidade de ir além. Por isso, deixou de lado a garantia da remuneração fixa.

Desafios da vida de freelancer

As vantagens de trabalhar de maneira autônoma são variados, mas nem tudo é um “mar de rosas”. O levantamento Mercado Freelancer 2017 apontou que esses profissionais sentem falta de algumas coisas em sua rotina, especialmente:

  • estabilidade financeira (64,74%);
  • salário, 13º e outros benefícios da CLT (38,63%);
  • rotina definida (21,48%);
  • férias regulares (16,72%);
  • relacionamento interpessoal (15,19%).

Além disso, as principais dificuldades são:

  • encontrar clientes (59,52%);
  • definir o preço do próprio trabalho (49,47%);
  • conquistar espaço no mercado de trabalho (40,23%);
  • definir uma direção para a carreira (20,53%);
  • administrar a vida financeira (16,73%);
  • controlar os prazos dos projetos (16,34%).

No caso da Fabíola, os principais obstáculos foram a estabilidade financeira e a rotina definida. Para acabar com o primeiro problema, ela diz que passou a trabalhar para diferentes empresas e definir bons objetivos. Assim, afastou o fantasma da renda variável e conseguiu ter uma remuneração que chega a dobrar seu salário enquanto CLT.

Já no caso da rotina, foi necessário se organizar muito bem e entender quais métodos funcionavam melhor. Para ela, ferramentas de produtividade e mensuração de resultados — como Trello, Toggl, Planilha de Controle Financeiro para Freelancers e Quadro de Produtividade — foram essenciais em sua jornada.

Para conquistar clientes, ela utiliza plataformas (como 12,1% dos freelancers) e indicação (maior canal de aquisição, com 71,53%). Com isso, obteve vários benefícios e, principalmente, qualidade de vida.

Diferenças e vantagens em relação à CLT

Os principais pontos positivos de trabalhar no mercado freelancer são:

  • o estabelecimento de contatos e parcerias com várias empresas e profissionais, o que permite a um redator, por exemplo, escrever sobre diferentes setores e evitar o tédio;
  • a flexibilidade de horários, que permite conciliar estudos ou trabalho formal;
  • o melhor aproveitamento do dia, porque é possível trabalhar em casa e não ficar preso no trânsito;
  • a própria experiência profissional, que facilita a obtenção de conhecimentos variados e a execução de atividades diferenciadas;
  • a liberdade criativa.

Porém, para garantir todos esses benefícios, é preciso escolher bem a empresa que oferece freelas. O ideal é estabelecer um relacionamento próximo e profissional, que possibilite entrar em contato quando necessário. Além disso, a emissão de nota fiscal é uma garantia para as duas partes, já que há uma maior garantia de pagamento e recebimento do serviço.

Ter um ambiente inclusivo é outro diferencial, principalmente se for proporcionado por meio de ações realizadas pelo RH. Quando esse setor executa suas funções adequadamente, consegue engajar as equipes interna e externa e mensurar dados com ferramentas apropriadas, como o People Analytics.

Com a observação desses detalhes, você consegue se integrar melhor à equipe interna, mesmo que remotamente. Perceba que, apesar do freela ser um trabalho temporário, ele pode durar vários anos. Por isso, vale a pena investir na parceria.

O futuro do mercado freelancer

A gig-economy e, consequentemente, o trabalho freelancer são o presente e o futuro. No Brasil, a Reforma Trabalhista fortaleceu esse segmento — por isso, muitos profissionais começam com seu cadastro como Microempreendedores Individuais (MEIs).

Ao adotarem essa prática, conseguem garantir seus direitos trabalhistas e previdenciários, além de também poderem emitir nota fiscal. Essa facilidade, inclusive, foi um dos motivos que incentivou a Fabíola a se profissionalizar como redatora freelancer.

Assim, o especialista passa a ter uma visão empreendedora, essencial para quem quer ter sucesso na carreira e trabalhar nesse segmento por muitos anos (ou até o resto da vida). Como complemento, o estudo contínuo é fundamental, tanto para aumentar o leque de serviços oferecidos quanto para se estabelecer como referência.

Agora, no começo deste post, apresentamos os dados desse setor nos Estados Unidos e União Europeia. Mas e no Brasil?

Aqui, a expectativa é de crescimento do mercado freelancer. Nesse sentido, a pesquisa Mercado Freelancer 2017 apresenta que mais de mil profissionais querem entrar nesse segmento, sendo que 16,6% apenas não tiveram tempo de começar. Além disso, 76,03% esperam ter um aumento da renda e 68,52% desejam começar na carreira autônoma no prazo de 12 meses.

E engana-se quem pensa que esses profissionais simplesmente não encontraram vagas no mercado de trabalho ou encaram a profissão como um “bico”. O mesmo levantamento demonstra que:

  • 94,6% dos freelancers têm curso superior, sendo que 24,7% têm alguma pós-graduação;
  • 26,2% têm uma remuneração que varia de R$ 2 mil a R$ 5 mil por mês;
  • 37,1% tem apenas o freela como fonte de renda;
  • 55,42% não querem estar presos a uma empresa.

Portanto, o mercado freelancer é uma boa oportunidade para qualquer profissional, além de ser uma grande alternativa para as empresas. Além de contarem com profissionais qualificados e especialistas em suas áreas, reduzem custos por não precisarem se preocupar com os direitos trabalhistas e previdenciários.

Então, gostou de compreender como é trabalhar nesse segmento? Compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais e ajude outras pessoas a entenderem melhor como é a realidade do freelancer!

Este texto foi produzido por Fabíola Thibes, em parceria com a Rock Content.

Não deixe de ler também…

O que é accountability? Saiba quais são seus benefícios
Gestão de Pessoas

O que é accountability? Saiba quais são seus benefícios

Você sabe o que é accountability? Termo de difícil tradução, pode ser entendido como a responsabilidade que cada colaborador deve ter dentro de uma empresa. Esse conceito também engloba o compromisso que cada um tem com o trabalho desenvolvido, e é papel dos gestores delegar responsabilidades de maneira clara e correta com o intuito de

Leia mais »