Você sabe o que é upskilling? Conheça esse novo termo!

Quer saber mais sobre as soluções da Appus?

Há alguns anos, as empresas contavam com uma estrutura hierárquica pouco flexível e com definição específica de cargos. A ideia era aquela do ditado: “manda quem pode, obedece quem tem juízo”.

No entanto, a partir das transformações do mercado e da necessidade de se diferenciar, reter talentos e contar com uma equipe engajada se tornaram essenciais. É aí que surgiram diferentes tendências da gestão de pessoas — incluindo uma metodologia nova chamada upskilling.

Esse é um termo bastante recente, mas necessário ao momento atual. Afinal, o desenvolvimento de habilidades profissionais estabelece uma relação de ganha-ganha. É positivo para a empresa — à medida que oferece um retorno maior do investimento que foi realizado — e também para o colaborador — que tem os seus objetivos pessoais alinhados aos profissionais e conquista mais qualidade de vida no trabalho.

Pensando nisso, desenvolvemos este post para que você possa compreender a importância do desenvolvimento de habilidades e veja de que forma é possível aplicar essa nova tendência na sua empresa! Acompanhe!

Confira quais são as habilidades principais que o profissional precisa ter

O Dicionário Michaelis Online define habilidades como: “conjunto de qualificações para o exercício de uma atividade ou cargo; suficiência“. Essa definição evidencia que certas capacidades são necessárias para que o profissional seja capaz de atender às expectativas de seu emprego, certo?

Pois bem! A diferença é que, até alguns anos atrás, um currículo adequado à vaga era suficiente.

Hoje em dia, é exigido muito mais do colaborador. Além de ter uma boa formação acadêmica, fluência em outros idiomas e qualificação técnica, ele deve estar disposto a adquirir novos conhecimentos e ter as habilidades socioemocionais adequadas aos valores organizacionais.

É assim que esse profissional conseguirá se destacar nesse novo cenário e fornecer uma contribuição efetiva para o desempenho de suas atividades. Cabe ao gestor, portanto, fornecer as ferramentas necessárias para que cada indivíduo alcance seu potencial máximo e desenvolva as habilidades que ainda precisam ser aprimoradas.

Porém, quais habilidades são essas? Confira, a seguir, uma lista que fizemos com as principais!

Flexibilidade

O profissional deve saber lidar com crises e imprevistos. Para isso, é preciso aceitar que não existe uma verdade absoluta e ouvir os colaboradores com atenção — esses são os primeiros passos para ter acesso a diferentes pontos de vista, que podem levar a tomadas de decisão mais acertadas.

Autoconfiança e autoconhecimento

Essas habilidades são importantes para qualquer líder, porque permite que ele tenha segurança mesmo ao assumir riscos. Para aprimorá-las, é necessário sair da zona de conforto e ter em mente aonde deseja chegar. Os gestores devem saber delegar tarefas e serem capazes de contribuir para que os colaboradores também aprimorem suas capacidades pessoais.

Iniciativa

A iniciativa é essencial para saber colocar as ideias em prática com inovação e velocidade. O profissional com essa habilidade deve oferecer ajuda em situações difíceis e aprender com os erros já cometidos. Algumas atividades relacionadas são: análise de custo-benefício, delegação e priorização de tarefas.

Competitividade

A pessoa deve ter uma competitividade saudável, que vise apenas à melhoria dos resultados — e não ao confronto com outros integrantes da equipe. Isso significa ter metas claras, desejar executar um bom trabalho, querer sempre ir além do objetivo comum e gostar de inovar.

Perceba que essa habilidade tem relação com emoções e motivações individuais. Por isso, é importante alinhá-las às profissionais.

Foco no cliente

A satisfação do consumidor deve vir em primeiro lugar. Para isso, o profissional deve saber ouvir e controlar suas emoções. Além do mais, ser capaz de estabelecer um relacionamento interpessoal é fundamental para descobrir os desejos e as necessidades dos clientes, assim como criar uma conexão — o que tende a aumentar as chances de fechar negócio.

Compreensão interpessoal e empatia

A capacidade de se colocar no lugar do outro, compreendê-lo e deixar de julgá-lo é muito importante para que o profissional possa se tornar um líder.

Mesmo que essa habilidade seja essencial para qualquer função, para quem trabalha com atendimento ao cliente ou prestação de serviços, no entanto, ela é imprescindível. Assim, fica mais fácil entender o que o cliente deseja e atender às suas expectativas.

Capacidade de liderança

A facilidade de motivar os colegas de trabalho e ser uma referência é primordial para quem deseja alcançar o sucesso. Essa capacidade pode ser ampliada ainda mais se você ouvir as pessoas, entender os problemas pelas quais elas passam e ter uma atitude de contribuição para o alcance de metas coletivas.

Em resumo, o objetivo é ser um bom exemplo.

Persuasão

Os profissionais que conseguem incentivar e influenciar os demais colaboradores são os que mais se destacam. A persuasão é aprimorada com a melhoria das capacidades de comunicação e de planejamento de metas. Porém, é preciso manter essa atitude para garantir sua credibilidade, bem como evitar a manipulação.

Trabalho em equipe

A capacidade de trabalhar em conjunto, respeitar as opiniões diversas e atuar em prol de um objetivo comum é o que todos desejam. Da mesma forma, é preciso aceitar as críticas, delegar as tarefas e eliminar as barreiras formais para potencializar essa habilidade.

Visão do negócio

Esse ponto de vista mantém o profissional atualizado e capaz de analisar dados para obter insights e tomar decisões acertadas. Dessa forma, ele consegue se antecipar às tendências e evitar prejuízos para a empresa. Para isso, é necessário obter informações precisas, comparar dados históricos e atuais e avaliar a realidade do mercado.

Todas essas habilidades devem ser trabalhadas pelo gestor com o objetivo de manter uma equipe engajada. No entanto, existem outros motivos que justificam seu desenvolvimento. Entenda no próximo tópico!

Saiba a importância de promover o desenvolvimento profissional

O advento de novas tecnologias — como Inteligência Artificial (IA), Business Intelligence (BI) e Big Data — transformam o mercado de trabalho e exigem uma nova postura dos profissionais, a cada dia. Nesse contexto, as funções mais operacionais tendem a ser substituídas, enquanto as estratégicas devem ser valorizadas.

Apesar desse viés mais burocrático, existe outro elemento nesse cálculo: as habilidades socioemocionais. Conforme indicamos anteriormente, elas ultrapassaram as barreiras do pessoal e são importantes para o mundo corporativo atual.

Isso acontece porque, em um mundo disruptivo e com mudanças exponenciais, a velocidade da tecnologia é elevada, sendo necessário conseguir se adaptar constantemente.

As pessoas que conseguem esse feito, que também passa pela maturidade emocional, tendem a se destacar. Dessa maneira, o profissional do futuro é aquele com espírito empreendedor, que está disposto a se modificar e a formar um excelente portfólio.

Essa situação pode ser exemplificada de uma forma bastante simples. Antigamente, cada indivíduo tinha sua profissão e todos sabiam o que ela representava.

Assim, a pessoa era bancária, jornalista, publicitária, administradora, médica etc. Hoje, as competências se confundem. Um mesmo profissional pode ser empreendedor, palestrante e consultor, por exemplo. Quem trabalha com alguma atividade na internet costuma atuar em diferentes frentes, nem sempre compreensíveis por outras pessoas.

É isso que se espera do profissional do presente e do futuro: ele deve saber que, mesmo tendo uma profissão tradicional, como a Medicina, pode agregar elementos tecnológicos, como a Inteligência Artificial, para facilitar e aumentar a precisão do seu trabalho. Via de regra, o propósito é ser multidisciplinar.

Às empresas, cabe o papel de integrar ferramentas digitais e preparar seus colaboradores. Elas devem ajudar a repensar e redesenhar programas, modelos de formação e conceitos. Além disso, precisam incentivar:

  • o estudo contínuo, a fim de conscientizar os profissionais da importância da reciclagem de conhecimentos e qualificação;
  • a personalização e a criação de programas de formação alternativos e voltados para públicos-alvo específicos;
  • a acumulação e a transmissão de conhecimento na empresa.

Com essas estratégias, você começa a adotar as melhores práticas para a retenção de talentos na sua empresa. Afinal, é assim que se inicia a compreensão de que cada colaborador é um talento, que pode ser potencializado a partir de ferramentas apropriadas, como o upskilling, que abordaremos mais para frente.

Descubra quais são os impactos desse desenvolvimento para as empresas

O cenário apresentado até aqui aponta a necessidade de haver uma mudança de paradigma no processo de pensar a tecnologia e os colaboradores. Por esse motivo, em vez de acreditar que os recursos estão contra os profissionais, é preciso compreender que eles contribuem e facilitam o fluxo de trabalho.

Um exemplo de como isso ocorrerá daqui em diante é o uso da IA para automatizar atividades. Nesse contexto, a máquina será capaz de executar a função sem intervenção humana — porém, é preciso haver um especialista em automação para assegurar que o trabalho operado será realmente eficiente.

Ademais, a tecnologia abre novas possibilidades de qualificação. É assim que um gestor de RH, por exemplo, pode contar com um software que contribuirá no processo de avaliação de desempenho para analisar a equipe, conforme as necessidades da organização.

Para entender melhor como tudo isso funciona, basta conferir os dados da AT & T publicados em um artigo da Forbes. A empresa contava com processos tradicionais e se viu na obrigação de revisá-los. Com isso, gastou 250 milhões de dólares em programas de educação e desenvolvimento profissional, e mais 30 milhões de dólares ao ano em assistência.

A ideia foi engajar, aproximadamente, 140 mil colaboradores para que eles compreendessem a importância de adquirir habilidades para assumir novos papéis.

Com essa mudança de postura, a empresa reduziu o ciclo de desenvolvimento do produto em 40%. O tempo da receita cresceu em 32%, enquanto o prazo de desenvolvimento e implementação caiu pela metade. Assim, por mais que os gastos tenham sido altos, eles se transformaram em investimentos que valeram a pena.

Sim, a sua empresa também pode passar pelo mesmo processo, ainda que em escala reduzida. Desse modo, poderá atingir vários benefícios, como os apresentados abaixo. Acompanhe!

Redução de custos com recrutamento

O uso da tecnologia aliada ao desenvolvimento profissional garante um melhor desempenho dos colaboradores. Dessa maneira, é mais fácil criar uma equipe de alta performance e aumentar a retenção de talentos. O resultado é a dispensa de processos de recrutamento e seleção constantes, que exigem custos elevados para a contratação e posterior capacitação.

Inclusive, uma pesquisa realizada pela Society for Human Resource Management, divulgada no site Ready Talk, identificou que o custo médio de contratação é de 4.129 dólares.

Na prática, isso significa que é melhor capacitar os colaboradores já existentes do que contratar novos profissionais.

Aumento da vantagem competitiva no mercado

A existência de profissionais qualificados na equipe traz um bom diferencial para a empresa, que consegue se destacar no mercado. Além do mais, os colaboradores são engajados e estão dispostos a perseguir os objetivos estratégicos organizacionais.

A consequência é o aumento da vantagem competitiva e a capacidade de reagir rapidamente às mudanças do mercado.

Engajamento elevado de funcionários

Os colaboradores que desenvolvem seu potencial conseguem alinhar seus objetivos pessoais aos profissionais, assim como aos valores da companhia. Ao haver essa sinergia entre os diferentes fatores, há um consequente aumento do engajamento, que traz impactos significativos na produtividade e no alcance das metas.

É necessário aproveitar essa oportunidade, já que um levantamento feito pela Gallup apontou que 87% dos millenials, também apresentado no site Ready Talk, acreditam que o desenvolvimento profissional é importante — no entanto, muitos ainda enfrentam obstáculos para se especializarem.

Portanto, quando a empresa fornece essa chance, ela pode aumentar o engajamento dos colaboradores e melhorarem seus resultados.

Entenda o conceito de upskilling de uma vez por todas

Os impactos listados até aqui só podem ser conquistados se você souber trabalhar os talentos que já tem na sua empresa. Essa é a ideia do conceito que abordaremos, palavra que, em tradução literal, significa aprimoramento. Vamos saber mais sobre essa abordagem? Não perca!

O que ele é e como funciona?

O upskilling consiste em aprimorar as habilidades dos colaboradores para que eles se tornem melhores profissionais.

Geralmente, isso é conquistado por meio do treinamento, que deve ser oferecido pela empresa. No entanto, é importante destacar que essa responsabilidade não é exclusiva da organização: o próprio colaborador também precisa estar engajado para chegar a esse patamar.

Como isso acontece? O processo é simples! Em vez de apenas investir em novos aprendizados e ter experiências no ambiente de trabalho, o propósito é buscar ativamente novas habilidades, qualificações e informações. Por isso, a proatividade é fundamental para dar um impulso na carreira.

Perceba que essa é uma tendência para o mundo corporativo e é uma consequência do aprendizado contínuo necessário às empresas da atualidade. Porém, como essa prática efetivamente funciona? Tudo parte de um plano estratégico, de uma metodologia que incentivará líderes, gestores e equipes a adotarem essa abordagem.

Diante desse contexto, confira, a seguir, algumas práticas interessantes!

Plano de desenvolvimento individual

Os colaboradores devem ser estimulados a criar esse planejamento e incluir habilidades que desejam obter ou melhorar. Perceba que contribuir para essa reflexão é uma etapa essencial para que o programa de treinamento tenha êxito. Por isso, não deixe de incentivar o desejo de conquistar novas competências.

Alocação de tempo durante o dia de trabalho

A elaboração do plano de desenvolvimento individual deve ser seguido de um intervalo durante o trabalho para a atualização profissional.

Por exemplo: se determinado colaborador deseja fazer um curso específico, ofereça a ele um espaço para assistir à aula online ou o tempo necessário para comparecer presencialmente.

Aprimoramento específico

A empresa deve oferecer uma capacitação específica para o colaborador melhorar suas habilidades. Por exemplo: se você usa um software de people analytics, pode ofertar uma capacitação para outros profissionais que queiram saber mais sobre o assunto.

Outra possibilidade é fazer um programa de credenciamento, que resulta em um certificado — é o caso de designers instrucionais, que podem obter um certificado de e-learning.

Vale a pena destacar que essas ações podem ser colocadas em prática mesmo com um orçamento apertado, pois a capacitação pode ser feita de diferentes formas.

Como pode ser aplicado?

A implementação do upskilling pode ocorrer de diversas maneiras, como destacamos. Ademais, essa flexibilidade é fundamental para assegurar a adaptação ao orçamento disponível. Então, que tal ver as possíveis práticas? Confira!

Treinamento presencial

As aulas podem ser ministradas em uma sala de aula, com um instrutor específico que direcionará os conhecimentos e as atividades.

Por exemplo: se forem identificadas quedas na produção, o treinamento pode focar esse problema e oferecer uma capacitação conjunta para apresentar as boas práticas e mostrar quais são os maus hábitos que devem ser evitados. Nesse contexto, os instrutores podem oferecer ideias, além de facilitar o brainstorming e o compartilhamento de sugestões.

Treinamento online

Essa alternativa é especialmente interessante para empresas que possuem várias filiais e/ou quando elas estão alocadas em diferentes locais. Nesses casos, pode valer a pena investir em uma plataforma de desenvolvimento de talentos online, como uma sala virtual.

O propósito é que os colaboradores acessem a plataforma no horário correto e assistam à explicação do instrutor, que pode abordar assuntos variados. Uma vantagem da sala de aula virtual é poder acompanhar, de maneira apropriada, o desempenho dos colaboradores por meio da geração de relatórios e consequente análise.

Microlearning

Esse método prevê a disposição de vídeos curtos de treinamento, entre cinco e dez minutos, para instruir os colaboradores rapidamente. É o caso, por exemplo, de ser identificada uma redução nas pesquisas de satisfação do cliente. Nessa situação, pode ser criado um programa de microlearning para mostrar de que forma é possível abordar o cliente positivamente.

O benefício é que o profissional pode acessar o conteúdo rapidamente e assisti-lo em poucos minutos.

Programa lunch and learn

Esse método visa ao desenvolvimento profissional em um breve período de tempo, mais precisamente, na hora do almoço. O intuito é abordar determinado tópico durante uma refeição gratuita e em um ambiente mais descontraído. Se preciso, utilize alguma ferramenta de comunicação, como o Skype.

Especialistas no assunto

Os profissionais com mais experiência podem apresentar seus pontos fortes aos outros colaboradores, a fim de ajudá-los a se desenvolverem e, ao mesmo tempo, exercitarem sua capacidade de liderança. A vantagem é contar com uma pessoa que pode responder diferentes perguntas e explicar processos de maneira prática.

Esses especialistas também podem contribuir com programas de microaprendizagem e garantir que a capacitação se mantenha atualizada.

Quais são os objetivos da metodologia?

As vantagens de adotar esse método na sua empresa são variados. Além de sanar lacunas de conhecimento existentes, você demonstra que a sua organização deseja investir no profissional, o que leva a maior engajamento e motivação. Tudo isso ainda impacta positivamente a produtividade, oferecendo outros benefícios.

Conheça, abaixo, quais são os principais objetivos dessa metodologia!

Aumentar a retenção de talentos

Os colaboradores, após passarem pelo upskilling, são desafiados a se desenvolverem e crescerem na organização. Além do mais, essa é a oportunidade de alinhar objetivos pessoais e profissionais. Isso também tende a elevar o engajamento e a produtividade, já que a companhia promove o sentimento de pertencimento.

Melhorar a satisfação do cliente

O engajamento dos colaboradores impacta o atendimento aos clientes, que podem ter uma experiência única com sua empresa. Com isso, também promovem a marca e oferecem um diferencial competitivo.

Agregar valor

O profissional atualizado executa seu trabalho adequadamente e agrega valor à sua função. Da mesma forma, tem seu currículo valorizado. Assim, essa relação de ganha-ganha assegura uma vantagem competitiva, tanto pessoal quanto profissional.

Acompanhar demandas e tendências do setor

O desenvolvimento constante dos profissionais exige o acompanhamento de novas tecnologias e de demandas que podem ser usadas na organização e favorecer o fluxo de trabalho. Desse modo, mais do que investindo em seu colaborador, você garante que a empresa se mantém à frente da concorrência.

Aumentar a eficiência

Uma situação comum nas organizações é ter lacunas nessas habilidades, fazendo com que um profissional nem sempre esteja adequado à função que exerce. Isso é o que aponta a UK Comission for Employment and Skills (UKCES), em artigo disponibilizado no site SME Club from Pro-Manchester.

Segundo o levantamento, 14% dos entrevistados apontaram que seus colaboradores não eram proficientes nos seus cargos.

Nesse contexto, uma alternativa é tirar os profissionais das suas zonas de conforto para aprenderem a lidar com a produtividade — assim, eles precisarão receber um treinamento melhor antes de executarem uma função para a qual não foram capacitados. Porém, os benefícios em longo prazo são enormes em termos de eficiência e qualidade.

Planejar em longo prazo

O treinamento da equipe atual contribui para o cumprimento do planejamento estratégico, que visa ao longo prazo e ao alcance de objetivos predeterminados. Assim, é mais fácil desenvolver as habilidades exigidas para atingir as metas esperadas, ao mesmo tempo em que há um foco maior na retenção de talentos e, consequentemente, na redução de custos do processo de recrutamento.

Em resumo, o upskilling é uma técnica ainda nova, mas que vale a pena conhecer para investir na sua empresa.

Afinal, o aprimoramento de habilidades dos colaboradores já existentes é essencial para o sucesso da organização. Então, que tal colocar as ideias sugeridas em prática?

Veja outras dicas relevantes para o seu negócio seguindo nossos perfis nas redes sociais: estamos no LinkedIn, Facebook, Twitter e Instagram! Nos vemos por lá!

Este texto foi produzido por Fabíola Thibes, em parceria com a Rock Content.

Meme Appus News

QUE TAL ASSINAR a nossa newsletter?

Não deixe de ler também…