Síndrome de burnout: como afeta os colaboradores?

Compartilhe este artigo na sua rede

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pocket
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook

A síndrome de burnout está cada vez mais presente no mercado de trabalho. Segundo pesquisa realizada pela Isma (International Stress Management Association), a doença afeta cerca de 30% dos trabalhadores brasileiros.

Ambientes negativos contribuem para o desenvolvimento do problema. O desgaste dos colaboradores chega a um nível em que esse tipo de condição se torna comum. A própria empresa é prejudicada por conta disso, já que os funcionários ficam incapacitados e, consequentemente, os índices de absenteísmo aumentam.

Neste post, vamos explicar o que é a síndrome de burnout e dar algumas dicas de como a organização pode ajudar a combatê-la. Acompanhe!

O que é síndrome de burnout?

O termo burnout é usado para indicar um estado de total esgotamento físico e mental provocado por fatores ligados ao trabalho. Apesar de muitas vezes a condição ser confundida com o estresse, é importante entender que se trata de uma doença mais grave.

Enquanto que o estresse é originado por uma situação específica e dura pouco tempo, o burnout se manifesta de maneira mais silenciosa e gradativa. Essa síndrome acompanha o indivíduo por um longo período.

Os sintomas podem se manifestar tanto física como emocionalmente. Os mais comuns são:

  • fadiga, apatia e desânimo constantes, mesmo em períodos de descanso;
  • baixo rendimento no trabalho, irritabilidade e falta de concentração;
  • baixa autoestima, insônia, palpitações e dores de cabeça;
  • relacionamento distante com família e colegas;
  • sensação de estar sobrecarregado o tempo todo;
  • necessidade de medicamentos ou de bebida alcoólica para relaxar;
  • sensação de que não é recompensado no trabalho como deveria.

Qual a relação entre a síndrome e o desgaste dos colaboradores?

Uma pesquisa feita pelo Instituto Kronos citou os três fatores principais que provocam o burnout: remuneração injusta (41%), carga de trabalho excessiva (32%) e excesso de horas trabalhadas (32%). Outros fatores comuns são uma gestão fraca, ambiente de trabalho negativo e funcionários que se sentem desconectados de sua função na empresa.

Ao avaliarmos esses dados, podemos perceber que uma organização que se esforça em oferecer condições melhores de trabalho pode evitar o surgimento desse problema. Com a adoção de algumas estratégias é possível inibir o desgaste excessivo dos trabalhadores e, assim, manter a saúde e o bem-estar deles.

Lembre-se de que a síndrome de burnout não é um problema do funcionário. Por estar relacionada às condições de trabalho, ela é um sintoma de que algo não vai bem dentro da empresa. Cabe a esta tomar providências para combater o problema, antes que ele impacte de maneira dramática na produtividade e no rendimento das equipes como um todo.

Quais são as melhores estratégias para prevenir o burnout?

A melhor forma de prevenir a doença é valorizar os profissionais e respeitar seus limites, apesar das metas a serem alcançadas. Levando isso em consideração, propomos algumas ações que a organização pode adotar.

Reconhecer os colaboradores

O reconhecimento vai além do pagamento de bônus e benefícios. A empresa deve apresentar uma perspectiva de crescimento para os colaboradores, com planos de carreira claros e bem estruturados.

Além disso, outras formas de reconhecimento podem trazer bons resultados: horas ou uma tarde de folga, um almoço especial, um agradecimento público. A intenção é valorizar e fazer com que o trabalhador perceba que seu esforço é visto pelos gestores.

Melhorar a comunicação interna

Um canal aberto de diálogo entre colaboradores e empresa pode fazer toda a diferença na motivação dos profissionais. Assim, é possível entender quais são as dificuldades enfrentadas diariamente e trazer soluções para esses problemas pontuais.

Além de satisfazer as demandas do profissional, a liderança consegue esclarecer quais são as expectativas da empresa em relação ao desempenho do colaborador. Dar esse feedback evita cobranças em excesso.

Investir em um bom ambiente de trabalho

O ambiente é um dos fatores que mais impactam na saúde dos trabalhadores. O local deve ser limpo, com condições adequadas e projetado ergonomicamente. Mais do que isso, espaços para descompressão e descanso ajudam muito a relaxar entre uma atividade e outra, o que potencializa a performance.

Mas além do espaço físico, o ambiente deve ser entendido também como as condições psicológicas de trabalho. A carga de trabalho não pode ser excessiva ― se isso estiver ocorrendo, talvez seja o momento de pensar em contratar novas pessoas.

O relacionamento com os colegas e, principalmente, com a liderança deve ser transparente e harmonioso. Clima de competição e medo são fortes fatores estressantes e podem levar o colaborador a desenvolver a síndrome de burnout.

Apostar em soluções de bem-estar

A empresa precisa estar atenta à saúde do funcionário como um todo. Então, por que não investir em soluções que ajudem a cuidar do profissional?

A organização pode incluir os chamados programas de bem-estar, que incentivam uma alimentação mais saudável e a prática de exercícios. Eles têm um custo baixo quando comparados aos prejuízos provocados por faltas e afastamentos.

Oferecer frutas e outros alimentos saudáveis pode ser uma boa ideia. Outra sugestão é disponibilizar sessões curtas de alongamento, massagem ou meditação dentro das dependências corporativas. 

Algumas empresas também recorrem a soluções que ajudam seus funcionários  a manter hábitos saudáveis através de técnicas de gamificação. A Go Good, uma health tech brasileira, oferece uma solução de bem-estar corporativo focado na redução do custo de saúde através da melhoria da qualidade de vida dos colaboradores. Conheça mais sobre o trabalho deles clicando aqui!

Permitir a flexibilidade no trabalho

O trabalho remoto é uma tendência crescente no mercado atual e que pode fazer toda a diferença na saúde e no bem-estar dos seus funcionários. Permitir que eles trabalhem de casa ou do lugar que julgarem melhor ajuda muito a diminuir o desgaste. Afinal, não precisarão enfrentar o trânsito e as horas de deslocamento.

A empresa não precisa liberar o funcionário para esse regime em tempo integral. Uma vez por semana ou a cada 15 dias já traz um impacto muito positivo.

Outra boa estratégia é dar flexibilidade de horário. Cumprir com a carga horária fora do que é estabelecido normalmente também pode ajudar o trabalhador. Isso porque o modelo permite que ele descanse ou participe de atividades importantes com a família ou de seu interesse pessoal.

Agora que você já sabe o que é a síndrome de burnout e como o desgaste mental dos colaboradores contribui para o desenvolvimento dessa doença, pode trabalhar de maneira pró-ativa. A ideia é evitar que esse seja um dos motivos de afastamento de funcionários e, consequentemente, de queda da produtividade.

Se você gostou deste conteúdo, aproveite para assinar a nossa newsletter. Assim, receberá notificações sobre a publicação de novos artigos que vão ajudar na gestão de pessoas da sua empresa!

Este texto foi produzido por Lígia Gama, em parceria com a Rock Content.

Não deixe de ler também…

O que é accountability? Saiba quais são seus benefícios
Gestão de Pessoas

O que é accountability? Saiba quais são seus benefícios

Você sabe o que é accountability? Termo de difícil tradução, pode ser entendido como a responsabilidade que cada colaborador deve ter dentro de uma empresa. Esse conceito também engloba o compromisso que cada um tem com o trabalho desenvolvido, e é papel dos gestores delegar responsabilidades de maneira clara e correta com o intuito de

Leia mais »